Google+ SOMBRAS DA MEMÓRIA: 10/fev/2008

Translate/traduza

Pesquisar na web

Amar-te em Silêncio...






Percorro o teu corpo no silêncio mais profundo, evitando acordar o tempo...



Arde em nós a lava dos vulcões primeiros, tal como o toque dos nossos lábios...



Sinto-te na manhã de todas as manhãs, única no amanhecer suave e rosa...



Amo-te sem precisar de articular uma palavra...

Noite mortífera...






Cavalguei na noite as vestes do guerreiro perdido,



senti a lança da escuridão apertar-me o peito num golpe final...



Alheio à luz, percorri a escuridão na angústia perfumada de morte...






Nada nem ninguém me pode libertar,



a noite adensa-se dentro de mim,



toma conta de todo o meu Ser...






Incapaz de libertar uma lágrima,



a Noite comove-me a Alma de uma dança mortífera...

Queria Olhar-te...






Queria olhar-te uma última vez, olhar-te na imensidão da tua autenticidade...

Queria olhar-te e ver a transparência dos teus desejos...

Queria saber-te nas palavras omitidas, nas expressões ocultas,

Queria navegar-te e sentir-te em mim paisagem,

Queria inventar um beijo com memória eterna,

Queria acreditar que a melodia da tua voz pode voltar a surgir no sopro breve do vento...

Queria pensar-te e acontecer-te num lugar onde o tempo e o espaço se abraçam na eternidade...

Queria ser algo mais, algo inesperado...

Queria ser a palavra não pronunciada, o gesto por cumprir...

Ser-me na Insconsciência consciente do Ser...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails