Google+ SOMBRAS DA MEMÓRIA: Manuscrito...

Translate/traduza

Pesquisar na web

Manuscrito...












Lembro-me do tempo em que se escreviam cartas,
do tempo em que se aguardava ansiosamente a vinda do carteiro...
Pegava na carta, olháva o remetente e conseguia sentir
uma presença, um gesto, um, sorriso ou uma lágrima...

A cor e o cheiro revelavam lugares, paisagens, sentimentos,
o envelope amarrotado, talvez um pouco encardido,
revelava a sua história...

Cuidadosamente, para não rasgar a carta,
abria o envelope, retirava a missiva e iniciava
a longa viagem...

Cada letra, frase ou rasura denunciava
as etapas do pensamento...

No final, buscava algo mais, uma nota de rodapé,
um vestígio de alguma coisa que desejavas ter dito
e não o disseste...

Naquela noite e nas seguintes, 
a tua carta era todo o meu património,
um testemunho da minha e da tua existência...

Na manhã seguinte, pegava na caneta,
olhava o papel como se lhe imprimisse um desejo,
desenhava os meus sentimentos,
talvez desejos, talvez receios e mágoas profundas...

Num gesto único, dobrava a carta,
colocava-a dentro de um envelope personalizado,
meticulosamente colado, escolhia um selo,
olhava o relógio e corria para o marco do correio...
Olhava em meu redor, certificando-me se alguém me olhava,
colocava a carta na abertura do marco,
tendo o cuidado de escutar o som da  sua queda...

Lembro-me, como era possível manuscrever uma lágrima...



Barão de Campos






9 comentários:

  1. engraçado sou tao antiquada,tb adoro as cartas antigas e as coisas modernas n lhe acho mta piada. gostei do texto

    ResponderEliminar
  2. Lendo este poema lembrei-me de um pequeno conto que escrevi em 21 de maio de 2008, em meu antigo blog.

    Este poema e o meu conto parecem interligarem-se. Outra coincidência é a imagem da ilustração.

    Fiquei arrepiada ao ler.

    http://neurotikapontocom.blogspot.com/2008/05/carta-de-amor.html

    ResponderEliminar
  3. Dá saudade mesmo. Há algum tempo atrás também escrevi algo sobre o assunto, de como o mundo online estava sendo cruel, em sua pressa insana, com nosso sentimentos.

    Parabéns pelo blog. Muito bom.

    Abraços

    ResponderEliminar
  4. espero que volte logo a escrever em seu blog e será que poderia escrever algo em homenagem ao universo, se sim se permitir colocarei em meu Blog...ate mais...fuiiiiiiiiiii

    ResponderEliminar
  5. Carlos Bom dia!

    Aproveitei pra conhecer bem rapidinho seu espaço e já amei profundamente desde a apresentação, me tocou fundo.
    Esse manuscrito então, valha-me Deus!!! Verdades incontestáveis a nós que vivemos essa emoção hj já tão amarelada pelo tempo e pela tecnologia. [Não desfazendo o progresso, é saudosismo mesmo!]

    Volto com mais calma e alma.

    Falei que vou seguir-te não foi? Então!! rs

    Fique com Deus.

    Bjus da sua mais nova amiga.

    Dilean De Bragança.

    Ps. Desculpe algum erro, escrevo mt no galope por ter pouco tempo no momento.

    ResponderEliminar
  6. OLá visitei seu blog pela primeira vez. Parabéns pelas escolhas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Quanta saudade este seu poema despertou em mim!
    Era assim que a magia nos chegava às mãos e ao coração.
    Lindo!
    Parabéns por avivar memórias apenas adormecidas.
    Foi bom acordar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Missivas rídiculas quem nunca as escreveu como disse Pessoa. Eu deitei muitas lágrimas escrevendo e lendo cartas de amor, um tempo que não voltará mais...
    Tenho muitas atadinhas com um cordel como convém, adorei o seu poema.

    ResponderEliminar
  9. Carlos
    gosto muito de ler o que escreve, mexe ca dentro, arrepia até, prometo passar sempre que possivel para a minha dose de emoçoes, felicidades e votos de muito sucesso, PS. e eu que pensava que tinha jeito para poesia !

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails