Google+ SOMBRAS DA MEMÓRIA: 31/jul/2009

Translate/traduza

Pesquisar na web

Alma de gelo










Mãos gretadas pelo frio,
expostas à luz incandescente
da memória aberta no peito
já gasto da vida...

Olhar firme de ferro,
comoção da inocência ultrajada...
Rasgos de sol à deriva,
gente morta de tanto morrer...

Cânticos desfeitos na areia húmida,
escassa e breve a melodia...
Vozes ondas clamando mar,
soluçando no seu navegar...

Granízo da alma em tapetes de lama,
artérias de fogo no vulcão do tempo,
cinzas de lágrimas e de lamento
na chama da vida e do vento...

Amanhecer...














Amanhecer sem tempo,
lugar de chuva
e de ontem...
Memória perdida e louca
na fronteira rasgada...

Distância no coração,
lâmina cravada no pensamento...
Uma constante oração,
orada em sofrimento...

Deixem a morte
submersa no bosque,
não a obriguem
a mostrar-se


Adeus poesia...


















Sei que partiste p'ra longe
sem me avisar...
Deixáste a indiferença
em teu lugar...
Ficou a sombra de ti,
gravada nas paredes da alma...
Ficou a mágoa
desta dor habituada...
Ficou mais longe a distância,
perdida na manhã sem vida...
Sei que partiste p'ra longe
sem me avisar...
Ficou a esperança
a amanhecer o teu voltar...

Nada...












Nada...
Apenas o silêncio branco das palavras
impronunciáveis...
Nada...
Apenas o ontem ruminado
na negação...
Nada...
Apenas os dias de mim já mortos
na queda delirante...
Nada...
Apenas a chuva aberta
nas águas estagnadas...
Nada...
Apenas o amargo e neutro
do meu pulsar...
Nada...
Apenas esta loucura latente,
nesta vontade de não ser...

Na tua indiferença...








Morrer nas palavras
o som desesperado da mente,
procurar nos lugares mais desertos
a humidade seca dos teus lábios
intolerantes e anacrónicamente lascivos
na pretensão da indiferença,
imponentes, hirtos e esmagadoramente mortíferos
no acto de sorver a vida e o prazer que a inunda...

Lábios ondulantes na lúxuria estridente,
selando os contornos de um amanhã disforme,
quase inerte, ainda que bífido e venenoso...
Sinto a desventura lenta da saliva corrosiva,
sulcando hemorrágicamente a alma,
num beijo ferindo um desejo por cumprir...

Cerro os dentes, silencio a mente,
desligo o olhar, quebrando o encanto
num gesto de presa...

Procuro nas tuas mãos um sinal,
um movimento de cúmplicidade...
Alguma coisa que permaneça
na memória da memória sem nome...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails